O inimigo interior – Autossabotagem

Os insucessos que você atrai por não estar consciente de como esse inimigo funciona



Você tem enfrentado o insucesso, conflitos e a procrastinação, dispersa, perde o controle e fica reativo sem saber qual o motivo? Não consegue encontrar as razões por detrás de tantas adversidades que aparecem de repente?  Então, preste bem atenção no que tenho para te dizer: você pode ter criado um inimigo que habita no seu interior, livremente, chamado de mecanismo de autossabotagem, que quando é acionado domina a situação, faz agir ao contrário do pretendido e contribui para os resultados saírem opostos ao desejado.

Isso mesmo, uma tendência de boicotar as suas realizações, do gênero: a pessoa que organiza a festa, é ela própria que acaba por estragá-la; exímio nadador, morre na praia.

Muito se ouve falar sobre a pessoa agir contra si mesma e as suas realizações. Esse tipo de comportamento tende a estagnar, bloquear e tornar as experiências repetitivas. Alguns sinais, como o sentimento de vitimização, de acreditar existir alguma força no universo querendo prejudicar ou estar perseguindo, medo da reprovação e querer constantemente ser aprovado, faz a insegurança vir à tona e são indícios de que possa existir autossabotagem. 

Nesse instante, uma espécie de gatilho é acionada e o seu inimigo interior se arma em sua defesa. Mas, como ele não possui uma boa formação, reativo, acaba revelando o pior de você mesmo.

A autossabotagem é um mecanismo de defesa criado a partir de traumas, muitas vezes imperceptíveis. Esse comportamento é uma forma de tentar resolver algum conflito. No entanto, essa falsa proteção acaba, justamente, funcionando de maneira oposta ao objetivo desejado. Ou seja, ao invés de resolver, aumenta o conflito e, ao invés de proteger, prejudica tanto a própria pessoa, como cria mal-estar na relação com os outros. 

Muitas vezes, o insucesso não é uma questão de sorte, mas do problema estar na sua mente, mais precisamente no seu inconsciente, onde reside esse inimigo interior.

Eu identifiquei a autossabotagem como um acordo firmado no inconsciente que impede a pessoa de conquistar os seus objetivos. Nos meus mais de 30 anos de trabalho como terapeuta com foco em resolução de conflitos, melhoria nas relações interpessoais e como mentor de desenvolvimento do potencial humano, o meu primeiro objetivo sempre foi identificar e eliminar esses mecanismos para que a pessoa possa retomar a posse sobre si, deixar de ser liderada para passar a liderar a si mesma, tornando-a favorável, enquanto força a sua vida. 

Considero que não existem conquistas positivas enquanto houver autossabotagem. Em razão disso, ensino a saber como preservar a própria existência e a desenvolver autoestima, porque, para mim, o sucesso nas realizações precisa estar em equilíbrio com o bem-estar. 

Tudo tem um significado e esses mecanismos seguem alguns princípios, como: ser toda ação determinada a partir de uma escolha realizada pelo seu autor, que é a fonte de onde se origina a causa. É fato que esse impulso primordial gera reação e o seu respectivo efeito torna o seu agente responsável pelo resultado obtido. Todo ato possui, intrinsecamente, uma intenção e a sua razão define qual será a direção, o rumo e a projeção dessa força. O caminho traçado revelará o seu sentido e a consequência estará presente na finalização de todo esse processo. 

Eu considero sermos uma força de realização com potencial de manifestar ações capazes de influenciar, como também de ser influenciada pelo meio. Partindo dessa premissa, posso afirmar que a realidade de cada pessoa é construída a partir de escolhas previamente assumidas, conscientemente ou inconscientemente, a partir das experiências vividas. 

Quando me deparei com o tema da autossabotagem, surpreendi-me pela ausência da informação sobre como esse processo se forma, como detectar a sua origem e o seu sentido. Em razão disso comecei a querer entender e obter respostas aos meus questionamentos a respeito dessa área oculta, e até sinistra, pertencente à estrutura e concepções de nós seres humanos. 

Impulsionado por compreender os princípios formadores desses mecanismos, como ele se constrói e sua mecânica de funcionamento, adentrei-me nessa área surpreendentemente instigante, composta de um interessante universo a ser descoberto. Também movido pelo objetivo de resolver os inúmeros conflitos vividos por aqueles que são dominados por esse inimigo interior.

Nessa procura, algo era certo: ele está a viver augúrios no interior do seu hospedeiro e age como uma persona non grata. 

Segundo a minha pesquisa, consegui rastrear o local exato onde ele se abriga, a que chamo de celas do inconsciente. Aliás, não poderia existir lugar melhor para ele se abrigar, porque, como o próprio nome diz, área não consciente; por isso, é normal não perceber a sua existência. 

Entrar nesse lado obscuro do ser é como descer em um porão escuro, cheio de celas, onde lá estão presas todas as situações mal resolvidas que contribuem para a formação dos mecanismos de defesa de autossabotagem. Esse inimigo, ser noturno, se aproveita da sua presa para agir de surpresa, sorrateiramente, quando a pessoa está menos preparada e vulnerável. 

Viver na fantasia do inconsciente é contribuir para mais cedo ou mais tarde vir a sofrer com as mágoas, decepções, desilusões, indignação, revolta, raiva e até ódio por não aceitar a realidade, querer viver na sombra do mundo irreal.

Em muitos casos, devido ao fracasso e as frustrações provocadas pela autossabotagem, desencadeia a perda de motivação e prazer pela vida. Contribui para os processos depressivos e distúrbios tanto mentais quanto emocionais. 

Eu considero que, no caso da autossabotagem, é preciso transformar, deixar de ser como se era, tornar-se consciente de como esse inimigo funciona, saber neutralizar para poder ficar imune à sua força. Só assim é que se quebra o contrato do acordo firmado com esse inimigo interior. A liberdade nesse momento é plenamente sentida e a vida começa a retornar para o seu fluxo contínuo e livre.


Carlos Florêncio

Filósofo e Terapeuta

Carlos Florêncio é filósofo e terapeuta, mentor de Potencial Humano. Como analista comportamental, especialista em relacionamentos e resolução de conflitos, é referência no tratamento do inconsciente e em mecanismos de autossabotagem. É o criador dos métodos PHVida® – Potencial Humano de Vida – e SEE®- Sistema de Equilíbrio Energético. Escritor, é autor da teoria e do movimento presentes no seu livro Tudo Certo! É formado em Filosofia (Brasil) e Psicossíntese (Londres), e fundou o Instituto e a Editora PHVida®. Instagram: carlosflorenciooficial carlos@carlosflorencio.com.br www.carlosflorencio.com whatsapp: +5511983199848




Rua Conceição de Monte Alegre, 107, Torre B - 10º andar
Conj. 101 B Cidade Monções
São Paulo, SP, 04563-060


2020 - Instituto Life Coaching