Coach deve ter empresa aberta?

Saiba como formalizar o seu negócio e melhorar seus resultados



Em primeiro lugar, cabe dizer que você não é obrigado a abrir empresa para trabalhar como coach, podendo se registrar na Prefeitura de sua cidade como autônomo. Neste caso, você fica habilitado a emitir recibos para seus clientes e paga como impostos o IRPF e o INSS.

Uma opção bem comum de formalizar o trabalho como Coach é usar contratos para formalizar as sessões, nele deve conter quantidades de sessões, tempo de duração, valores e deveres de ambas as partes. Não esqueça de colocar multas e punições do não cumprimento de ambas as partes, como por exemplo: cancelamento com até 24hs de antecedência será considerado sessão realizada.

Na maioria das vezes, porém, o melhor é de fato abrir uma empresa, atuando como Pessoa Jurídica. Assim, você pode trabalhar de forma totalmente legalizada e, muitas vezes, inclusive, pagar menos impostos! As vantagens de ter um CNPJ também são acesso a linhas de crédito específicas e, é claro, a oportunidade de oferecer serviços para empresas emitindo nota fiscal.

Em primeiro lugar, vale lembrar que existem especialistas na abertura de empresas: os contadores. Esses profissionais poderão ajudá-lo a passar por todas as burocracias envolvidas no processo e a identificar as melhores oportunidades de enquadramento fiscal e tributário.

Com ajuda de um contador, as decisões iniciais que você deve tomar são o tipo de empresa e o seu CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas). Em relação ao primeiro ponto, existem duas opções principais: MEI (Microempreendedor Individual) e ME (Micro Empresa).

As principais diferenças entre elas são em relação ao faturamento e à carga tributária. Os impostos pagos são cobrados através de porcentagem que varia de acordo com seu CNAE.

Já que falamos em CNAE, existem diferentes possibilidades de enquadramento para quem quer trabalhar como coach. O ideal é escolher a atividade econômica junto com o contador, pensando também no ramo em que vai atuar (life ou business coach, por exemplo).

Vale ressaltar que você deve considerar todas as atividades que você pode realizar e incluir como atividade no CNAE, como por exemplo: palestrante, treinador, realização de cursos online, workshop etc.

Agora que você aprendeu como formalizar o seu business, vamos cuidar da sua performance. Lápis e papel na mão que vou te ensinar a técnica Deep Work.
Deep Work significa trabalhar de maneira profunda, focado, essa é uma das habilidades mais valiosas no mundo contemporâneo é um tratado sobre esse jeito de trabalhar.

Cada vez mais, nós, profissionais fragmentamos nossa atenção graças ao constante acesso às ferramentas virtuais, como redes sociais, e-mails e a própria internet. Quem nunca abriu o celular para ver a hora, entrou nas mídias sociais e fechou o celular sem saber que horas eram? Sucumbir a estas distrações nos torna incapazes de trabalhar profundamente e nos faz trabalhar de forma superficial. É preciso dominar o Deep Work, pois o trabalho superficial não explora nosso potencial máximo e é facilmente repetível e substituível por outras pessoas.

As duas habilidades essenciais para conseguir trabalhar de maneira profunda essenciais são: A primeira é a habilidade de dominar rapidamente coisas difíceis e complexas. A segunda é habilidade de produzir em alta performance, tanto em qualidade, quanto em velocidade.
Para que isso aconteça é preciso que você entenda a seguinte equação: Trabalho produzido com alta qualidade = (tempo gasto) x (intensidade de foco)
Para produzir em seu nível máximo, você precisa trabalhar por períodos longos com concentração máxima em uma única tarefa, livre de distrações.

A primeira abordagem é a monástica. Ela se baseia em remover todas as fontes de distração e se isolar do mundo, como um monge faria.

A segunda abordagem é a bimodal. Ela se baseia em definir um período longo de foco e deixar o resto do seu tempo livre para outras coisas.

A terceira é a abordagem rítmica, que se baseia em criar o hábito de trabalhar profundamente em blocos de 90 minutos, por exemplo, e já deixá-los reservados na sua agenda.

A quarta abordagem é a jornalística, que se baseia em alocar qualquer tempo livre que surja no seu dia para entrar no modo profundo.

Independentemente do método que você escolha, é importante saber que é preciso ser metódico para entrar em deep work. Você não será capaz de entrar profundamente no trabalho de forma constante se não criar um processo para isso.

Para extrair o máximo das suas sessões de trabalho profundo, construa rituais em seu dia de trabalho. Decida:

• Onde você vai trabalhar e por quanto tempo. Se for possível, escolha um local exclusivo para se aprofundar no trabalho, como por exemplo, uma sala de conferências vazia ou uma biblioteca silenciosa.

• Como você vai trabalhar depois de ter começado. Seu ritual precisa ter regras e processos para manter seus esforços estruturados. Por exemplo, você pode instituir uma proibição de qualquer uso da internet ou manter uma métrica como ‘palavras escritas a cada período de 20 minutos’, para manter sua concentração.

• Como você vai apoiar seu trabalho. Seu ritual precisa garantir que seu cérebro receba o apoio necessário para operar a um alto nível de profundidade. Por exemplo, o ritual pode especificar que você comece com uma xícara de café ou garanta que você tenha acesso a comida suficiente para manter sua energia, ou mesmo integre exercícios leves como uma caminhada para ajudar a clarear sua mente.

Além disso, planeje seu tempo de inatividade. O tempo ocioso ajuda seu cérebro a descansar e faz com que suas horas de trabalho profundo sejam mais produtivas. Existem outras três razões para que você forneça um pouco de ociosidade ao seu trabalho:

• Melhoras do tempo de inatividade. Fornecer tempo para seu cérebro descansar permite que seu inconsciente trabalhe nos desafios profissionais mais complexos. Portanto, o hábito de ‘se desligar’ não está necessariamente reduzindo a quantidade de tempo que você gasta em um trabalho produtivo. Pelo contrário, está diversificando o tipo de trabalho que você é capaz de realizar.

• Tempo de ociosidade recarrega a energia necessária para trabalhar profundamente. Sua atenção é um recurso finito. Se você acaba com ela, vai ter dificuldades para se concentrar. A ideia principal dessa teoria é que se você descansar um pouco dessa atividade, conseguirá restaurar sua habilidade de direcionar sua atenção e seu foco.

• O trabalho substituído pelo tempo ocioso não é tão importante. Sua capacidade de trabalho profundo em um dia é limitada. Após atingir sua carga máxima durante seu dia de trabalho, você não deve ter medo de parar e descansar. Afinal, você não será capaz de continuar a trabalhar de maneira eficiente e seus esforços estarão confinados em tarefas de baixo valor, realizadas em uma baixa velocidade.

Espero que você consiga trabalhar mais focado e ter mais agilidade e com isso ganhar mais performance no seu dia a dia.

Bons negócios, até o mês que vem.


Nany Martins

Mentora e Executiva

Mentora, executiva e especialista em estruturação de negócios, Nany Martins, em seus 15 anos de experiência no mercado financeiro, se destacou e ganhou prêmios como executiva de inteligência de mercado. Formada em Administração de Empresas, pós-graduada em Finanças, com MBA em Negócios Internacionais e International Professional Master Coach - Institute of Coaching Professional Association (ICPA), órgão afiliado à HARVARD MEDICAL SCHOOL




Rua Conceição de Monte Alegre, 107, Torre B - 10º andar
Conj. 101 B Cidade Monções
São Paulo, SP, 04563-060


2020 - Instituto Life Coaching